psicologia das cores

Psicologia das Cores – Como ela pode ser aplicada no Marketing?

b300, 8 de fevereiro de 2021

Afinal, o que é a Psicologia das Cores?

A Psicologia das Cores é uma área de estudo que tenta compreender como o nosso cérebro reage e atribui significados às cores do nosso mundo. 

Pensar nesse processo de interpretação de forma abstrata pode ser um pouco complicado. Porém, o nosso cotidiano é recheado de exemplos de como atribuímos significados às cores, ainda que não tenhamos consciência desse processo.  

Um dos maiores arquétipos dessa atribuição de significados pode ser encontrado na dualidade entre as cores preto e branco. Enquanto o preto é comumente associado ao perigo, mistério, elegância e até a morte, o branco é ligado a simplicidade, paz, pureza e ao início das coisas. 

A Psicologia das Cores como aliada do Marketing

O Marketing pode ser descrito como a ciência de explorar e entender as necessidades do seu público-alvo. E assim, trabalhar para oferecer os melhores produtos ou serviços que possam satisfazer as necessidades dos seus possíveis clientes.  

Uma boa estratégia de Marketing precisa funcionar em diversas frentes de trabalho. Entre elas, se destacam: o visual do seu produto ou serviço, o posicionamento da sua marca e, ainda, a relação com o seu público. 

Independente de qual seja o tipo de Marketing que você quer colocar em prática visando o crescimento da sua empresa, o visual sempre vai ocupar um espaço de destaque. Afinal, ele é o responsável por capturar a atenção dos seus futuros clientes.

Digamos que você tenha optado por aplicar métodos conhecidos do Marketing de Conteúdo na tentativa de destacar a sua marca. Como o próprio nome já deixa claro, esse modelo de Marketing consiste em oferecer conteúdo relevante e de qualidade para o seu público-alvo, buscando, dessa forma, angariar valor para a marca.

Leia Também:  Coronavírus: como está sendo o posicionamento das empresas

Graças a evolução tecnológica que experimentamos nas últimas décadas e a popularização massiva da internet, a produção de conteúdo se tornou um método acessível e com grande capacidade de retorno. 

Um ótimo exemplo dessa atividade é dado pelo Banco Inter, instituição financeira digital, que mantém um blog atualizado com materiais noticiosos e informativos. Na maioria das vezes, essas publicações não tentam vender nenhum produto ou serviço, mas ainda assim ajudam a agregar valor à marca.

E se você acha que pela valorização do conteúdo, o visual fica em segundo plano, está muito enganado. Mesmo técnicas de Marketing que exijam um maior foco no texto, precisam se atentar bastante a como esse conteúdo vai ser mostrado para o seu público-alvo. E é nessa parte que as cores assumem um grande protagonismo. 

De acordo com a Psicologia das Cores, existem oito emoções básicas com as quais os seres humanos lidam diariamente. São elas a surpresa, o medo, a curiosidade, o nojo, a aceitação, o medo, a alegria e a tristeza. 

Ainda segundo essa área de estudo, cada uma dessas emoções seria despertada por uma cor, o que demonstra o poder de influência que uma coloração específica pode causar. E acredite, a atuação das cores em nosso cotidiano pode ser muito maior do que você acredita. 

Conforme uma pesquisa realizada pela estudiosa Satyendra Singh, da Universidade de Winnipeg, no Canadá, as pessoas constroem a sua opinião sobre outros indivíduos ou produtos com apenas 90 segundos de interação. E ainda, até 90% dessa avaliação é totalmente baseada em cores.

E aí? Agora você entende melhor como a escolha da cor que irá representar o seu produto ou serviço pode determinar o sucesso ou o fracasso da sua empreitada? Nós sabemos que fazer a escolha certa e ter êxito em combinações e representações, não é uma tarefa fácil, contudo, separamos algumas cores e as suas interpretações para te ajudar nessa missão, confira!

Leia Também:  Vale a pena ter blog em 2020?

As cores e as emoções

O preto é comumente ligado à sofisticação, à elegância, ao luto, ao anonimato, ao estilo, à infelicidade, ao remorso, à raiva e ao poder.  

Já o branco, como esperado, representa proteção, simplicidade, cuidado, limpeza, inocência, nascimento, frieza e paz.  

O azul traz consigo a representação da lealdade, conservadorismo, segurança, unidade, harmonia, verdade e também depressão. 

O amarelo, como cor quente, é associado a alegria, otimismo, claridade, imaginação, esperança, contudo, também carrega consigo a covardia, a inveja, a doença e o perigo. 

Conhecido por representar a paixão, o vermelho também se relaciona com a fúria, o amor, a excitação, o calor, a agressão, o sangue, o poder e a violência.  

O verde, sempre visto como uma referência ao meio ambiente, pode ser relacionado ainda com a perseverança, o orgulho, a calma, a generosidade, ao vigor, a inexperiência, a inveja e a destruição. 

O violeta nos lembra a realeza, a sensibilidade, o conhecimento, a beleza, a crueldade, a arrogância e a intimidade. 

O laranja nos dá a sensação de calor, excesso, animação, humor, extravagância e excesso. 

O rosa, comumente ligado à feminilidade, esconde outras sensações e significados, como satisfação, charme, leveza, delicadeza e romantismo.  

Por último, mas não menos importante, temos o cinza, capaz de nos lembrar de responsabilidade, seriedade, evolução, profissionalismo e harmonia, esse último, principalmente quando combinado a outros tons. 

Gostou desse conteúdo? Deixe o seu comentário! Para descobrir mais sobre a Psicologia das Cores, recomendamos o livro A Psicologia das Cores: Como as cores afetam a emoção e a razão, da autora Eva Heller.

Para ter acesso ao estudo feito por Satyendra Singh, é só clicar aqui.