Coronavírus: como está sendo o posicionamento das empresas

Arianne Nakabashi, 27 de abril de 2020

O posicionamento das empresas em relação ao avanço do coronavírus está um pouco divergente devido, principalmente, às mudanças que ocorrem quase que diariamente em nosso país.

 Por exemplo, enquanto alguns executivos criticam o rigor da quarentena imposta por governadores e prefeitos, há empresas que vêm a público defender o distanciamento social e reforçar medidas drásticas para conter o coronavírus.

 Para estas empresas, isso deve ser feito mesmo que prejudique a economia de forma geral.

 Os gigantes da indústria do varejo e bancos, estão entre as empresas que já se pronunciaram a favor de uma paralisação intensa, capaz de frear a disseminação da coronavírus pelo país.

 Neste caso, este posicionamento condiz com as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

 E, para entender um pouco melhor qual é o posicionamento das empresas neste período de crise que o país está passando, basta acompanhar a leitura deste post até o final.

 

Vamos lá?

 

Para facilitar a sua leitura, o artigo foi dividido da seguinte forma:

 

  •       Entenda como ficou o posicionamento das grandes marcas com relação ao avanço do coronavírus
  •       Como a crise afeta o mercado e porque a mudança é tão importante
  •       Conclusão

 

Entenda como ficou o posicionamento das grandes marcas com relação ao avanço do coronavírus

 Com o objetivo de veicular uma mensagem em favor de que as pessoas fiquem em casa e evitem ao máximo o contato social, algumas empresas ocuparam os espaços publicitários, principalmente na televisão.

 Temos o caso da Chevrolet, fabricante de veículos motorizados, que iniciou uma campanha pedindo que as pessoas não usassem o carro e ficassem em casa.

 Além dela, a rede francesa de materiais de construção, Leroy Merlin, investiu em propagandas no horário nobre da TV, para comunicar o fechamento de suas lojas.

 A empresa focou na importância do isolamento social.

 Porém, apesar disso, a Leroy Merlin diz que vende produtos essenciais para os lares brasileiros e, por isso, deveria receber autorização para manter as lojas abertas.

 A Sadia, uma das marcas de uma holding de produção de alimentos frigoríficos do Brasil, em outro anúncio na televisão, reforça a importância de que as pessoas fiquem em casa durante a crise do coronavírus.

 

“Em tempos difíceis, quanto mais você sabe, melhor todo mundo fica” é o slogan da Sadia, que aproveitou a ocasião para divulgar um site de receitas culinárias com seus produtos.

 

Além dela, um outro grande exemplo é a Renner, rede de vestuário, que anunciou o fechamento da sua rede de lojas por tempo indeterminado.

 Neste caso, a empresa afirmou que está comprometida com as diretrizes da OMS e assumiu o compromisso de não demitir seus funcionários sem justa causa por tempo indeterminado.

 

Como a crise afeta o mercado e porque a mudança é tão importante

 A grande maioria dos setores da indústria já estavam em um grande processo de mudança mesmo antes da chegada do coronavírus.

 Porém, as medidas tomadas para combater o surto devem acelerar essas mudanças.

 A “economia de ficar em casa” exigida pelo coronavírus acelerará drasticamente a mudança do antigo para o novo.

 A mudança, assim, virá ao lado da oferta e da demanda. Principalmente, com o consumo de produtos online.

 Temos avaliado um número crescente de pessoas que estão começando a usar esses novos serviços, desfrutando deles e tornando-se clientes fiéis.

 Por outro lado, o ensino superior tem sido lento na transição para o ensino online.

 Porém, agora que o setor é forçado a oferecer módulos online, é improvável que as universidades retornem ao status quo anterior.

 Temos agora, grandes oportunidades na educação online, em termos de novos mercados para estudantes e uma oferta mais barata.

 Neste caso, o coronavírus pode ser o choque externo crucial que transforma partes de nossas vidas.

 E mesmo que possamos acreditar que as mudanças atuais em nossa vida sejam temporárias, elas podem se tornar permanentes.

 Por isso, não deixe de se preparar para as futuras mudanças que estão por vir.

 Entenda o impacto do coronavírus no mercado.

Conclusão

 E aí? O que achou do artigo?

 Neste artigo você pode conhecer um pouco mais sobre qual é o posicionamento da maioria das empresas neste período de crise.

 Pode perceber também um pouco mais sobre quais mudanças o mercado está passando e terá que passar nos próximos dias.

 Por isso, é tão importante que o seu negócio invista, também, em mudanças.

É preciso encarar que, mesmo com o fim da quarentena, essa nova maneira de fazer negócios pode durar muito mais tempo do que gostaríamos.

 Portanto, é necessário mudar o que for preciso para melhor se adaptar.

 Neste caso, o importante é ter em mente que quanto mais cedo seu negócio estiver preparado para a nova realidade, melhor será o seu desempenho nesse período e provavelmente nos próximos meses também.

 

E se precisar de ajuda com a digitalização do seu negócio, é só entrar em contato.

 

Aproveite, curta e compartilhe a sua opinião conosco!

 

Dúvidas, críticas ou elogios deixem nos comentários.

 

Até a próxima!

 

Fontes

 

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/04/01/coronavirus-empresas-publicidade-isolamento-social-covid-19.htm

https://www.globalempregos.com.br/mesmo-apos-a-crise-coronavirus-vai-mudar-dinamicas-de-trabalho/

https://fdr.com.br/2020/04/01/crise-do-coronavirus-4-dicas-para-o-seu-negocio-sobreviver-a-quarentena/

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/31/microempresarios-crise-coronavirus-limbo.htm

https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/dez-dicas-de-sucesso-para-vender-na-internet,2171ce6326c0a410VgnVCM1000003b74010aRCRD

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/23/compras-pela-internet-disparam-com-crise-do-coronavirus.htm

https://exame.abril.com.br/negocios/coronavirus-compras-online-crescem-e-empresas-adaptam-operacoes-e-entrega/

https://outboundmarketing.com.br/crise-como-motor-de-mudanca/

https://www.bbc.com/portuguese/geral-52051666